Páginas

1.3.13

RIO DE JANEIRO FAZ 448 ANOS


FOTO MB: UM BRINDE AO RIO, COM MATE LEÃO E BISCOITO GLOBO, NO LEBLON

Vivi no Rio de Janeiro, ou simplesmente Rio, 37 dos seus 448 anos. Tenho a impressão de ter vivido mais que isso, já que ruas e prédios históricos ainda estão lá. Cidade bonita, charmosa, maravilhosa (!), se vista do alto ou em close, apenas com a intenção de admirá-la. Capital Imperial, Capital da República, com um “q” de Paris pelas mãos de Pereira Passos, o Rio esbanja história em todos os sentidos, caso contrário cuidaria melhor do seu patrimônio. Ao mesmo tempo em que a vivência desses quase 40 anos traz um olhar crítico, o afastamento de 15 anos me devolve o olhar do visitante. Rio é sinônimo de bons encontros. Circular pela cidade como habitué tem inúmeras vantagens. Sabe quando ouvimos dizer que “sempre que vou à Paris vou ao café tal...” eu adoro dizer “sempre que vou ao Rio tomo  chopp no Ernesto, como bolinho de feijoada no Aconchego Carioca e joelho de porco no Enchendo Linguiça...” É lá que tem a Escadaria do Selarón, o Circo Voador, o Morro da Urca, o Samba da Luzia, a Pedra do Sal, o Monobloco, a Rua da Alfândega, as praias, Pedra Bonita, Jardim Botânico... vixe, tem coisa pra caramba! E desse jeito eu volto sempre, para conhecer uma coisa aqui outra ali, rever outras tantas, renovar a carioquice nata que não me permite deixar de lado os iiiiiis quando digo feliz aniversário.