Páginas

Mostrando postagens com marcador São Paulo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador São Paulo. Mostrar todas as postagens

2.1.13

SHADES OF GREY: ILUSÃO OU REALIDADE?

Há muito admito minha predileção por lugares que seguem majestosos apesar do tempo. Um encantamento que, muitas vezes, me faz sentir como se estivesse voltando do futuro para registrar tais momentos.
NÃO SAIO ÀS RUAS COM O OBJETIVO DE FOTOGRAFAR COISAS DO TIPO. SIMPLESMENTE É O CONTEXTO QUE ME REMETE. FOI ASSIM, POR EXEMPLO, NO CHILE;
EM COLONIA DEL SACRAMENTO, QUANDO ENTREI NO RESTAURANTE MÉSON DE LA PLAZA OU ME DEPAREI COM ESSE MODELO DE CARRO QUE JÁ ERA ANTIGO QUANDO NASCI.
EM SÃO PAULO, QUEM PODERÁ DIZER, SEM OBSERVAR COM BASTANTE ATENÇÃO, QUE A ESTAÇÃO DA LUZ  FOI FOTOGRAFADA EM 2012?
O QUE DIZER DE PARIS? OK, PARIS É COVARDIA. MAS BASTA ESQUECER QUE A TORRE EIFFEL NEM SEMPRE TEVE ILUMINAÇÃO QUE ESTAREMOS EM 1889, NA SUA INAUGURAÇÃO.
 E ASSIM VAMOS NÓS VIAJANDO NO TEMPO. SEJA EM SÃO FRANCISCO DO SUL (SC)
OU EM ANTONINA (PR). O MAIS LEGAL DISSO TUDO É EXERCITAR O OLHAR E IR  ALÉM DAQUILO QUE SE APRESENTA. NA MINHA OPINIÃO, ESSE É O ITEM ESSENCIAL, AQUELE QUE NÃO PODE FALTAR NA MALA DE QUALQUER VIAJANTE.
FOTOS MB

28.8.10

SAUDOSA: OH, MALOCA!

Voceis pensam que nóis fumos embora
Nóis enganemos voceis
Fingimos que fumos e vortemos
Ói nóis aqui traveis
Nóis tava indo
Tava quase lá
E arresorvemo
Vortemos prá cá
E agora, nóis vai ficar fregueis
Ói nóis aqui traveis

4.7.09

Ô MEU, DOMINGO SEM DESCANSO EM SAMPA!

FOTO MB: detalhe da entrada do Mosteiro de São Bento




Como moeda tem dois lados, depois da movimentação da 25 de Março é fundamental caminhar pela Oscar Freire. Foi o que fiz no domingo bem cedinho, com as lojas fechadas para evitar a tentação.


FOTO MB:  Santo Grão Café - xícara de chocolate suíço por R$10,00 (para aquecer)

É difícil imaginar que a Oscar, oitava rua de comércio mais luxuoso do mundo (segundo o Mistery Shopping Internacional, que estuda a relação entre cliente e mercado em 5 continentes), está há 8 estações de metrô da rua de comércio mais popular paulistano. Adorei!

FOTO MB: Placa na Rua com o mapa das lojas

Próximo das 10 da manhã, rume para o Mosteiro de São Bento: missa com canto gregoriano e, ao final, fila para comprar os bolos e biscoitos preparados pelos monges. Lembrei do Rio, o Mosteiro lá é lindo, lindo, lindo! 
Antes da missa, aproveite para passear pelo Viaduto Santa Efigêngia (que liga o Mosteiro à igreja da Santa) e ter uma visão do alto, embora parcial, do Vale do Anhangabaú. Ao longe, verás o Viaduto do Chá.

FOTO MB: trolebus no Anhangabaú (R$ 2,10)

Após a missa, caminhe sem pressa pela região. Vai encontrar com vários grupos de turista e ter a sensação de não estar só no centro da cidade. Siga pela Av. São João, admire o Edifício Banespa (Banespão para os paulistanos), o Martinelli (o primeiro arranha-céu da América latina, de 25 andares e 100 m de altura, construído em 1930 e que ocupa um quarteirão inteiro entre as ruas São Bento, Libero Badaró e Av. São João).

FOTO MB: Banespa e Martinelli - visto da Av. São João

É pela Líbero Badaró que se chega ao Viaduto do Chá (é a rua lateral da Prefeitura da Cidade, agora sediada no antigo prédio "Banespinho"). Do outro lado, o Teatro Municipal é único. Se no Teatro tiver algum evento diurno do projeto Catraca Livre, aproveite. Caso contrário, vá visitar o Museu do Ipiranga, digo Museu Paulista da USP.

Foto-arte do Viaduto do Chá - Margareth Bastos

Para isso, volte ao metrô e siga pela linha verde até a estação Alto do Ipiranga (última estação). Ela é fantástica: 4 andares! Bom, voltemos ao Museu. Desça na Alto Ipiranga e tome o trolebus Gentil Moraes até o Parque Independência. Visite o Museu por mim, já que no dia 28 de junho a USP estava em greve e frustrou meu passeio.

Antes de voltar para casa, de alma lavada, dê uma passadinha no MASP. Claaaaro! Último dia para ver ARTE NA FRANÇA 1860-1960 - O REALISMO, matei a vontade de rever “as menininhas”, digo Rosa e Azul, de Renoir, um dos meus prediletos. Lá está (va) também a mega-super-interessante exposição de VIK MUNIZ (até 12 de julho). Como era domingo, o vão do Museu abrigava a feira de antiguidades. Então, sobrou a esquina da Paulista para os fãs prestarem homenagem ao Michel.

FOTO MB: Detalhe vitral do Mercado Municipal


Bem, faltou a OCA; o Ibirapuera; a ponte estaiada; o Copan - Av. Ipiranga, 200; o Memorial da América Latina; o Pateo do Collegio; Vila Madalena etc. Convenhamos, não dá para revitalizar 20 anos em 2 dias. Fica pra próxima!

2.7.09

SÃO PAULO SEM ENGARRAFAMENTO: É SÁBADO!

Depois do café continental (incluído na diária promocional de fim de semana + check-out tardio após árdua negociação durante o processo de reserva do hotel), foi possível visitar muitos pontos de interesse da cidade seguindo as estações da Linha Azul do Metrô. Primeiramente, a Cadetral Metropolitana da Praça da Sé (estação Sé).

 Visão da Sé ainda na estação do metro.

Segundo a Arquediocese de São Paulo, a Catedral da Sé é um dos cinco maiores templos góticos do mundo. A Catedral de hoje começou a ser construída em 1913 (a primeira igreja, de taipa, data de 1591) e foi inaugurada em 1954, sem as torres principais. Em 1999 o prédio foi interditado para restauro e manutenção. Até 2002, quando reabriu suas portas, foram construídas 14 belíssimas torres laterais que constavam no projeto original, bem como foram restaurados todo o prédio, os vitrais, as obras de arte, as portas, a iluminação e o carrilhão de sinos.
visão das novas torres a partir da lateral

A parada seguinte é na estação Luz. A partir dela se chega à Pinacoteca do Estado...

Blue jeans, de João Loureiro, nos observa na entrada

à Estação da Luz e o seu Museu da Língua Portuguesa quem passa, para e toca: Projeto Toque-me, sou teu http://www.pianosderua.com.br/
à Estação Pinacoteca – antigo prédio do DEOPS, onde funciona o Memorial da Resistência. No brevíssimo trajeto a pé da Estação da Luz até o Memorial é possível avistar a Escola de Música Tom Jobim. Ao longe, vê-se a antiga Rodoviária e, ainda mais longe, a Estação Júlio Prestes, com a Sala São Paulo. Se o turismo social é o seu forte, bingo! Continue andando e você estará na região da Cracolândia. Por outro lado, literalmente, você estará na entrada do Bom Retiro, mas deve resistir ao comércio de roupas e moda, já que não há intenção de compras nesse tipo de viagem. Nem na Oscar Freire! essa é a ladeira, na saída da estação.
Retorne à estação Luz do Metrô e parta para a estação São Bento – saída ladeira de Porto Geral, para cruzar a multidão da Rua 25 de Março e alcançar seu objetivo: sanduíche de mortadela + pastel de camarão + bolinho de bacalhau, no Mercadão Municipal. Fique atento, pois todo último domingo do mês o Mercado fecha para a manutenção.

nem só de mortadela vive o paulistano! As cores e os aromas do Mercado... hummmmmmmm
Comida no papinho, pé no caminho! (isso é mais velho que minha avó...) Nova caminhadinha até a estação São Bento para, então, seguir até a Liberdade (na estação de mesmo nome) e vasculhar as lojinhas “de tudo um pouco”. Eu, por exemplo, saí de lá com uma lanterna que (ainda) não tenho onde pendurar.
o caminho do Imperador

FOTOS MB

1.7.09

SÃO PAULO EM DOIS DIAS

O fim de semana em Sampa para conferir o que mudou desde que estive lá pela última vez há quase 20 anos pode não ter sido uma Brastemp, mas tudo aconteceu conforme o previsto e foi bastante produtivo. Nas próximas postagens vou descrever essa aventura. Mas, antes disso quero registrar que o transporte gratuito da Gol de Guarulhos para Congonhas funcionou muito bem e significou uma economia de R$ 30,00 em relação ao Airport Bus Service – circuito dos hotéis Paulista/Augusta –, e de R$ 84,00 caso tivesse optado por um táxi para o trajeto Guarulhos – Hotel na Paulista. Cabe ressaltar que o taxi de Congonhas até o Hotel na Av. Paulista custou R$ 32,00, ou seja, para uma única pessoa o ônibus é a melhor opção. Por R$ 37,00 circulei de Metro dois dias, para conhecer/rever pelo menos 15 pontos de interesse.

Ao chegar sexta-feira à noite depois de um dia de trabalho só foi possível fazer o check-in e programar o jantar no Bexiga (há quem prefira dizer Bela Vista). A escolha pode não ter sido original, mas o Villa Tavola, inaugurado em 1963, fica aberto 24hs e oferece transfer gratuito. Avanaldo (sim, esse é o nome do garçon nordestino, há 18 anos em Sampa e funcionário do restaurante) é dono de uma simpatia contagiante. O buffet de sopas custa R$ 23,00 depois das 23 horas e o cardápio é bastante variado. Não é muito barato, mas se você dispensar o couvert (R$ 17,00 por pessoa!) e dividir um prato extremamente farto que varia de R$ 60,00 a cento e tal, além de contabilizar o “transfer gratuito” como parte da dolorosa, vai ver que não é tanta extravagância em se tratando de São Paulo, certo?
FOTOS MB E LIDIBA